segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Minhas impressões sobre The Walking Dead

- Como é a expressão mesmo?

- Qual?

- A do gato que tem medo de água suja.

- "Gato escaldado tem medo de água fria?"

- Não sei. Não tem uma que diz que gato tem medo de água suja?

- Não lembro. Só lembro dessa aí: "gato escaldado tem medo de água fria". A qual, diga-se, é bem redundante.

- Por quê?

- Ah, porque gato tem medo de água de qualquer jeito. Bastava dizer "gato escaldado tem medo de água".

- Pelo seu ponto de vista, até o "escaldado" é desnecessário. Já que gato de qualquer jeito tem medo de água de qualquer jeito, a expressão poderia ser "gato tem medo de água".

- Verdade. Ou, para ser mais específico e deixar tudo bem claro, "gato de qualquer jeito tem medo de água de qualquer jeito", como eu disse ali em cima.

- "Onça tem medo de sopa".

- Como?

- Onça me parece um gato de qualquer jeito. Assim como sopa me parece uma água de qualquer jeito. Vale a expressão?

- Com essa explicação precisa, não posso fazer outra coisa a não ser aceitar.

- "Pantera tem medo de groselha".

- Tá, não força.

- "Coruja tem medo de Yakult".

- Deu, né?

- Por falar em deu, assisti a "Walking Dead".

- Vi também. Sensacional, não?

- Gostei demais. Deve agradar a qualquer pessoa que goste de coisa com morto-vivo.

- E existe quem não goste de morto-vivo?

- É. Acho que não. O que me entristece, que acho uma pena, é que Walking Dead vá ter vida curta.

- Por quê?

- Achei a produção muito cara. Duvido que o pessoal tenha bala para aguentar muitos episódios nesse nível de superprodução.

- Taí, você tem um ponto.

- Pois então.

- Mas se eles quiserem economizar, podem contratar mortos-vivos de verdade para atuar.

- Será?

- Batata. Aí economizam na maquiagem dos atores.

- Sem contar que morto-vivo cobra bem menos do que ator norte-americano para trabalhar. O cachê seria uma miséria.

- Sério que são tão baratos?

- Sim. Mão-de-obra não qualificada. E melhor: não são sindicalizados.

- Sem contar que no camarim, não seria necessário btar muita comida. Uns cérebros e umas alfaces já os deixariam contentes.

- Eles comem alface também?

- Se não tiver cérebro dando sopa.

- Sei.

- E se estiverem morrendo de fome, naturalmente.

- Ou vivendo de fome.

- Naturalmente.

2 comentários:

Tempo Livre disse...

huahauhauahuaha

A-DO-REI!

Anônimo disse...

Mto bom! Deviam te colocar pra fazer o roteiro da série.