quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Conversa Fática é o Ópio do Povo

- Por que você tá com esse branco na cara?

- Tava vindo para cá e respirei um gás tóxico que saiu de um buraco na parede. 

- De um "fuio"?

- "Fuio"?

- É. Um "buiaco" na "paiede" é um "fuio".

- Ai, ai.

- Mas conte aí, que gás tóxico é esse? Você tá morando na Vila Chernobyl?

- Não.

- Passa por Cubatão ao vir para cá?

- Nem.

- Então, que gás tóxico é esse?

- Sei lá. Eu tava vindo e entretido com a vida, coisa e tal. Ouvindo um pouco de Husker Du, um pouco de Adriana Calcanhoto, essas coisas, para desestressar.

- Adriana Calcanhoto estressa, isso sim.

- De qualquer forma, tava vindo para cá e, de repente, senti um calor forte na orelha. Quando olhei, vi um vapor branco incrível saindo do buraco no meio da "paiede". Me senti tonto. Tentei correr, mas não tive ar. Cambaleei uns metros e vi que ia desmaiar. As coisas ficaram brancas e "pá", desmaiei. Acordei com umas três senhoras sobre mim, tentando me acordar e comentando entre si, ao mesmo tempo "tá bêbado". Aí ia me levantar e apareceu uma dona bem bonita, se dizendo médica. Resolvi fingir que ainda tava inconsciente só para ver se ganhava um boaca-a-boca ou coisa assim. Ai ela se aproximou e quando achei que ia me beijar, disse "é, tá bêbado mesmo. Já já acorda." Elas todas me abandonaram. Aí quando vi que não tinha ninguém por perto, levantei e vim para cá.

- Mentira!

- É mesmo. Na verdade isso aqui é pasta. Vou lavar. Valeu por ter avisado.